POETAS  DA  NOSSA  TERRA

MARCELLO MATHIAS

OFERENDA

Eu dou estes meus versos à humildade
Dos que são meus irmãos no insatisfeito anseio;
Aos poetas que não ousam cantar,
E a esses pintores cujo mais belo quadro,
Entrevisto num sonho,
É sempre o que jamais podem pintar;
Aos que sentem na alma os ritmos estranhos
Da partitura que não sabem escrever;
E aos que, vivendo a Vida, em cada instante
Pensam que hão-de morrer;
Aos que consigo trazem a ternura
E o generoso anseio de se dar,
Mas que ninguém quis aceitar;
E aos homens e mulheres que morrerão
Obscuros como eu,
Porque nunca puderam encontrar
Sua íntima expressão;
Aos soldados que não foram heróis
Só porque nunca combateram;
E aos soldados vencidos nas batalhas,
Mais tristes porque nelas não morreram;
E aos que adoram crianças, sem ter filhos,
E a todos,
Todos os que, por diferentes trilhos,
Levam em segredo e quase a medo,
Dentro de si,
Um mundo destroçado de ilusões desfeitas,
Ou, como eu,
Um infinito de Capelas Imperfeitas.

OUTONO

Como quem, no regresso duma escura
E árida jornada, ansioso espera
Rever o sol e as flores da primavera,
Assim busquei da infância a imagem pura;

Com versos quis traçar a iluminura
Dessa ingénua gravura do que eu era,
Quis fazer ressurgir toda a ternura
Das graças infantis que já esquecera ...

Mas no caleidoscópio dos meus versos
Os vidros coloridos e diversos
Das infantis polícromas imagens.

Não se enfeitam de graças infantis,
Nem do sol, nem das flores primaveris ...
São tristes, outonais, frias paisagens.

REGRESSO

(Nova parábola do filho pródigo)

Eu fiz outrora um grande desatino:
Troquei por longes terras indiferentes
O céu azul, o verde mar e as gentes
Das terras em que andei quando menino.

Quando voltei emudecera o sino,
Tinham secado as fontes e as sementes,
Andorinhas e flores todas ausentes ...
- Só comigo o meu trágico destino!

Outros homens mudaram as estradas
Por onde caminhei na minha infância ...
Onde estão os silvedos com amoras?

Os cachos de uvas negras das latadas?
A cerejeira em flor? Tudo é distância ...
Coração peregrino por quem choras?

VoltarSubir