O  PADRE  QUARESMA

Padre António QuaresmaO padre António Quaresma, humilde e virtuoso sacerdote benfeitense, nasceu na Dreia, freguesia da Benfeita, concelho de Arganil, em 9 de Junho de 1882. Era filho de João Quaresma e de Maria Augusta, lavradores, e irmão de Maria Augusta Quaresma, Maria de Assunção Quaresma e João Quaresma da Costa.

Foi ordenado sacerdote em Coimbra, em 1908, tendo sido colocado na freguesia da Graça, concelho de Pedrógão Grande.

Iniciou o seu múnus sacerdotal, na Benfeita, em substituição do Padre António Diniz Tavares que, devido ao seu temperamento autoritário e conflituoso, foi transferido para Gesteira, a 5 quilómetros da Vila de Soure, em 1909, onde viria a falecer pouco tempo depois, tendo a Benfeita ficado desprovida de sacerdote durante os tempos que se seguiram.

O Padre Quaresma disse a sua primeira missa na Igreja da Benfeita, em 29 de Janeiro de 1911.

Mário Mathias descreveu-o como sendo um homem alto, espadaúdo, forte sem ser obeso, de temperamento agradável e comunicativo, animoso e decidido.

Logo após a implantação da república foi proposta pela nova comissão paroquial a expropriação da capela de Nossa Senhora da Assunção por se considerar desnecessária, propondo-se para o mesmo local, a construção de um largo com um chafariz público ao centro. O padre Quaresma não se opunha à construção do chafariz, desde que fosse noutro local, e lutou com todas as suas forças contra a expropriação e a demolição da Capela. A situação foi gerando mal-estar e algum choque de opinião entre a população mas a determinação e firmeza do Padre Quaresma acabou saindo vencedora.

Em 1918, enfrentou o fim do flagelo da guerra e o regresso das nossas tropas e, como se não bastasse, ainda veio uma doença epidémica nova e terrível que, atravessando fronteiras, alastrou rapidamente por todo o país e foi conhecida por "febre espanhola", sendo depois crismada cientificamente por "gripe bronco-pneumónica". As consequências da Pneumónica, foram terríveis em toda a freguesia, ceifando a vida a largas dezenas de pessoas, causando o enchimento do cemitério da Corga, tendo havido necessidade de abertura de novos covais no adro da igreja, no espaço ajardinado onde fôra o primeiro cemitério da freguesia. Os enterros dos mortos pela Pneumónica faziam-se, por ordem das autoridades, no mais curto espaço de tempo, sem irmandades ou acompanhamento, nem toque de sinos.

Em Setembro de 1920, fez parte da Comissão Central da Benfeita, para a Organização da Liga de Defesa e Engrandecimento da Freguesia da Benfeita, primeiro Movimento Regionalista que viria a dar origem à actual Liga de Melhoramentos, tendo demonstrado o maior interesse pelo desenvolvimento da nossa freguesia.

Em Janeiro de 1921 foi eleito Presidente, cargo que ocupou até 1923, tendo aprovado a proposta de Leonardo Gonçalves Mathias, no sentido de ampliar e embelezar o Largo do Areal.

Em 1921 reorganizou a actual Irmandade de Nossa Senhora da Assunção, tendo sido eleito para a presidência da Assembleia Geral.

Em 1924 reconstruiu a Capela de Nossa Senhora da Graça, na Dreia, no local onde outrora existira uma velha capelinha em ruínas, tendo feito o projecto e adquirido o terreno bem como as imagens que colocou no altar. Aqui celebrava gratuitamente, aos filhos da terra, casamentos, baptizados e visitas pascais.

Em 1928 foi nomeado secretário de uma comissão para angariação de donativos para a estrada de "macadame", pela então designada União de Melhoramentos da Freguesia da Benfeita, presidida por Leonardo Gonçalves Mathias, passando a exercer o cargo de tesoureiro, em 1931, ano em que se iniciam os trabalhos na estrada.

Foi o padre que se manteve durante mais tempo no exercido da sua actividade paroquial na nossa freguesia, tendo sido substituído, por motivo de doença, ao fim de 40 anos, em 1950, pelo padre José Rodrigues Redondo. Faleceu na sua aldeia natal, em 29 de Outubro de 1952, com 70 anos de idade.

Fontanário da DreiaA ele se deve também, o projecto de captação de água para construção do primeiro fontanário da sua aldeia, embora apenas só tivesse sido aprovado em 1958 e construído em 1960. O local foi cedido pelos seus herdeiros e nele foi construído um largo público tendo a população da aldeia desejado, por unanimidade, que ao referido largo fosse dado o nome do Padre Quaresma.

A 25 de Setembro de 1960, a memória do Padre António Quaresma foi revivida na Dreia com muita alegria e emoção numa grande homenagem que lhe foi prestada pelo povo, estando presentes diversas entidades públicas e religiosas, a Filarmónica de Vila Cova de Alva, o grupo coral da Benfeita e muito povo das freguesias da Benfeita e da Cerdeira.
Para perpetuar a sua memória foi dado o seu nome ao largo da aldeia onde foi descerrada uma lápide numa cerimónia onde usaram da palavra diversas pessoas que nos seus discursos, salientaram as qualidades do homenageado e focaram a sua vida impoluta, a despretensão do seu viver, o espírito de pobreza e de honestidade, o seu aprumo, zelo e dignidade, num verdadeiro espírito sacerdotal.
Da missa vespertina foi celebrante o padre Joaquim da Costa Loureiro que aproveitou a oportunidade para partilhar a sua alegria em estar presente nesta ocasião e exaltar as qualidades humanas do homenageado.

Vivaldo Quaresma