FESTA  DA  ESPIGA

A Festa da Espiga é uma festa profundamente rural ligada ao aloirar das searas e à multiplicação das flores que anunciam o pão e a vida e que compreende, além das cerimónias religiosas da liturgia cristã, certas práticas específicas tradicionais, revelando aspectos verdadeiramente ancestrais, relacionados com as nossas próprias raízes culturais.
Esta manifestação tradicional tem lugar na Quinta-Feira de Ascensão, em que se comemora a subida de Cristo ao Céu, fechando um ciclo de quarenta dias que se abriu pela Páscoa. Sempre a Ascensão foi um dia de festa nestas terras, mesmo não sendo dia feriado.
Hoje, essa prática já desaparecida, apenas está na memória de alguns.

O raminho da Espiga

No "Dia da Espiga", dia sagrado da terra, rapazes e raparigas largavam a enxada e saíam para o campo, de manhã cedo, aproveitando os dias cheios de sol e a imensa alegria que emana da terra e dos homens, para folgarem e colherem uma espiga de trigo e um ramo de oliveira, que haveriam de compor o ramo da espiga. Para além destas espécies, o ramo poderia incluir, ainda, espigas de outros cereais - centeio, cevada, aveia, etc., esgalhos de cepa, pés de alecrim e de rosmaninho florido, papoilas, rosas, malmequeres e margaridas. Este ramo pendurava-se algures dentro de casa e aí se conservava durante todo o ano, até ser substituído pela "Espiga" no ano seguinte. "Bendita é a terra que é farta e louvado seja o Senhor!" - Esta é a essência da festa, um hino à força e à generosidade da Natureza de que depende a nossa vida.
É crença do povo que a espiga apanhada na quinta-feira da Ascensão proporciona felicidade e abundância no lar. Aliás, a espiga de trigo propriamente dita representa a abundância de pão, o ramo de oliveira simboliza a paz, as flores amarelas e brancas respectivamente o ouro e a prata que significam a fartura e a prosperidade.

Isaura Quaresma

O "Dia da Espiga", que de alguma forma marcava o início da época das colheitas, assumia uma importância especial, uma vez que se aproveitava esta data, para as manifestações tradicionais mais características desta freguesia rural.

Os alunos da escola primária formavam pequenos grupos e saíam para as redondezas, em busca daquele que seria o melhor ramo de espiga da escola. Depois, com a sala florida, ouviam os ensinamentos do mestre e, no final, levavam os ramos para casa para os oferecerem a suas mães.