ELÍSIO  DA  FONSECA

Dr.Elísio da FonsecaFilho de José Joaquim da Fonseca e de Maria Trindade Fonseca, Elísio Dias da Fonseca nasceu na Benfeita, em 20 de Maio de 1891, onde foi baptizado na Igreja de Santa Cecília pelo pároco Alfredo Nunes d'Oliveira, em 15 de Agosto de 1891, tendo tido como padrinhos António Simões Dias e Maria José Simões Dias.

Assentou praça em 15/05/1912 e combateu na Grande Guerra, em Moçambique, para onde foi incorporado como Cabo, no Batalhão de Infantaria nº 23, em Junho de 1916.

Frequentou a Universidade de Coimbra e formou-se em Medicina na Universidade de Lisboa.

Foi promovido ao posto de Tenente em 07/06/1923 e foi Major médico na ex-colónia de Cabo Verde, onde se casou em 25/07/1935, na freguesia de Nossa Senhora da Graça, na cidade da Praia, com Letícia Botelho da Costa Martins, e onde gozou de bem merecida simpatia e reputação.

Faleceu em Lisboa, na freguesia de São Sebastião da Pedreira, em 25/07/1977, com 86 anos de idade.

Fazendo parte dos primeiros corpos gerentes da Liga de Melhoramentos da Freguesia da Benfeita, eleitos em 1945, foi o 1º Presidente de Direcção. Sentia-se "benfeitense de alma e coração", muito embora a sua actividade profissional o tivesse, por vezes, afastado do convívio da sua terra.

Escreveu "Breves apontamentos acerca de alguns problemas médicos e da ocupação sanitária do ultramar", que foi publicado em separata nos anais do Instituto de Medicina Tropical, em 1953.

O Coronel Médico Dr. Elísio Dias da Fonseca, foi uma personalidade sempre extraordinariamente empenhada na função da Liga, nos seus objectivos de execução material e renovação espiritual, cultural e social dos benfeitenses.
Esteve presente em todas as reuniões preliminares ordinárias e extraordinárias.
Essa presença e interesse constantes ajudaram a manter viva a chama que permitiu que a Benfeita tivesse a sua Liga. É de lamentar que tenha sido deliberadamente "saneado" do conhecimento dos benfeitenses.
A sua figura moral e de dignidade, o seu espírito de sacrifício de um homem de eleição, fica à espera que o povo lhe faça justiça.

Adelino Francisco Quaresma (1946).

Em 1954, a Liga e o seu presidente, António Correia, debruçaram-se principalmente sobre a electrificação da Benfeita. Na Assembleia Geral da Liga de Melhoramentos da Freguesia da Benfeita, realizada em Lisboa, em 22/01/1954, na Casa da Comarca de Arganil, Rua da Fé, 23-1º, sob a presidência do Dr. Mário Mathias, foi louvado o esforço e a acção do seu presidente, António Correia e do Dr. Elísio Dias da Fonseca, vice-presidente, sobre a electrificação da sede da freguesia, tendo a Liga entregue, nesse ano, a quantia de 105 contos à Hidro-Eléctrica de Arganil, como início de pagamento da sua comparticipação, sendo os restantes 50 contos entregues em duas prestações: com o início dos trabalhos e na data em que a luz chegasse à Benfeita, o que viria a acontecer em 12/08/1955.

Vivaldo Quaresma

Veja também:
Luz eléctrica na Benfeita