JOSÉ  SIMÕES  DIAS

Esta página é um extracto de uma carta escrita pelo Dr. Fernando Valle, sendo o primeiro texto que consta no livro "Peninsulares" - Edição comemorativa do I Centenário da Morte de J.Simões Dias, 1999.

[Transcrição de Vivaldo Quaresma]

Benfeita, o termo implica perfeição, sugere beleza à qual não deve ter sido indiferente a superior inteligência e a sensibilidade apurada do jovem Simões Dias.

Poeta, de quem Camilo disse: "Gosto pouco de poetas, gosto de pouquíssimos, entre os que conheço, Simões Dias, guardo no pequeno raio das minhas estantes, consagrada aos bons", foi também jornalista, colaborando com personalidades do mais alto relevo nacional - os homens da geração de 70. A sua actividade enquanto professor exaltou a sua faceta de invulgar padagogo. Na vida pública, Simões Dias revelou a sua grande firmeza de princípios pautados por um sentido superior da política, que nele se manifestou como um execício cívico que a ética determina.

Fiel às amizades e princípios, a lealdade era em si uma qualidade evidente e rara, que, longe de protagonismo dá origem a não poucas e dolorosas decepções. Um lídimo, um verdadeiro cidadão defensor das grandes causas, da educação, da cultura, do desenvolvimento do país, do bem estar do povo.

O pensamento transformado em acção, essa necessidade de que falava Antero e que Romain Roland sintetizou: "Pensamento que não age é aborto ou traição".

Homem inteiro, Simões Dias sempre superiorizou o ser ao ter em todos os actos da sua vida, dos mais banais aos mais complexos, sempre marcou clara e vincadamente o que era.

Os Benfeitenses devem-lhe, além de muito mais, o facto da sua Benfeita ser, através das descrições de beleza que dela faz, ser conhecida em todo o país e por esse mundo além, em todos os lugares que se fala português.

É um autêntico brasão de que poucas ou nenhuma outra terra, se podem orgulhar de possuir "concedido", pelo alto e sublime "poder" de inteligência lúcida e do amor de um dos seus mais ilustres filhos.

Há pessoas para as quais, pelos seus actos tão fora do comum, não se encontram palavras com o "peso" necessário para as definir, competindo àqueles que conservam a memória da sua superior acção, tudo fazerem para que não sejam esquecidas e que o seu exemplo se convertam numa lição.

Felizmente os Benfeitenses procuram pedagogicamente, seguindo o exemplo do seu ilustre conterrâneo, fazer sentir, que não basta construir escola, o que é relativamente fácil, mas, que é preciso saber como lá dentro se ensina - do que tanto falou Sérgio - e mais mostrarem o carinho e afecto humano de que são capazes.

Extracto de uma carta do Doutor Fernando Valle